Quem sou eu

Minha foto
MINI CURRÍCULO Coordenadora Pedagógica da Rede Municipal de São Paulo Graduada pela Universidade Paulista-UNIP, Pós Graduada em Docência do Ensino Superior, Educação Infantil e Gestão escolar - ISE Vera Cruz. EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS Formadora da DRE de Itaquera Educação Infantil e Informática educativa Formadora no Ponto de Cultura FAFE-USP (Oficina-Documentação Pedagógica-Tecnologias a Favor da Educação) Formadora no programa ADI Magistério - formação de professores- Fundação Vanzoline Professora de educação infantil e ensino fundamental I e de oficinas de arte no ensino fundamental II- Escola Tecnica Walter Belian

sexta-feira, 15 de julho de 2011

TRABALHO NO CEI WALTINHO

Pintando sonhos no chão do CEU

Pintamos brinquedos no chão do CEU com o objetivo de criar novos espaços de brincadeira para as crianças , do CEI e do CEU

Foi um trabalho quase insano!
Dores no corpo de ficar horas e horas  agachados no chão.
As mãos, manchadas de tinta, ásperas e doloridas  pela rudeza do trabalho.
E aqueles matinhos no meio do cimento que só se conseguia arrancar com muita força?!. Aliviou bastante na hora em que o Marcos e o pessoal da limpeza vieram para ajudar.




E as crianças da EMEF então?! Grandes parceiros!!!!!





Mas acho que a parte mais difícil mesmo foi perceber que algumas pessoas não compreendiam  o porquê de todo aquele esforço. Afinal, nas nossas atribuições não faz parte “pintar chão”.


Mas nem o cansaço nem as câimbras conseguiriam nos fazer desistir do nosso propósito, porque o que estava em jogo era muito mais do que loucura, era sonho! Sonho de uma escola melhor para todas as crianças não interessa o seu berço e não interessa o preço.


Aquela era nossa forma de dizer que hoje já sabemos, (para nunca mais esquecer), que brincar é direito de todos e que os espaços de um escola são, antes de mais nada, pelas e  para as crianças .


A educação brasileira ainda é marcada por muitas faltas. Assumir  todos os dias, o compromisso com a qualidade de atendimento das nossas crianças é dar para os nossos sonhos o sobrenome de “ é possível!”


Um dia alguém me perguntou quais os preços que já  eu já tinha pago na luta por uma educação melhor para as crianças . A resposta foi e continua sendo:
_ Nenhum! Se o que está em jogo são sonhos de equidade e liberdade, não existe nenhum preço grande demais para se pagar por isso!

Obrigada por compartilharem conosco sonhos, insanidades, trabalho e realidade.
Irene
julho/2011


Quem sou:



O COORDENADOR PEDAGÓGICO
O coordenador pedagógico ainda se confunde com os diversos papéis que esse profissional desempenhou ao longo da historia da educação:
Chefe, fiscalizador, provedor, organizador de eventos, apaziguador de conflitos, regente...
Hoje, buscamos uma identidade caracterizada pela parceria, formação, um articulador de estratégias, aquele que, por ter um olhar distanciado, pode estranhar o que parece tranqüilo e acomodado e convidar o grupo a resignificar seu olhar e suas práticas.
Assim, a relação entre professor e coordenador, precisa pautar-se na confiança, e no respeito, pois só assim poderá favorecer a constituição dos sujeitos e o crescimento pessoal e profissional de todos.

Algumas considerações sobre o papel do coordenador pedagógico
O cargo de coordenação não é para qualquer um...
É só para aqueles capazes de perceber que nenhum trabalho de equipe se faz onde não houver respeito pelas pessoas, por suas histórias, experiências e saberes.
Ser coordenador...
É saber ouvir, principalmente o que se esconde por traz das palavras, ações e olhares.
É incentivar a participação de todos e acreditar na importância da contribuição de cada um.
É ser democrático; perder um tempo enorme consultando á todos ainda que pudesse ter resolvido sozinho em dez minutos.
É ser capaz de respeitar a decisão do grupo ainda que esta não seja a sua.
É ser capaz de convidar e seduzir ao invés de ordenar, argumentar ao invés de determinar, buscar estabelecer co-responsabilidades ao invés de centralizar decisões.
É terminar o dia, irritado pela lentidão das mudanças, esbravejando sua inconformidade das coisas serem como são e jurar que vai abandonar a educação e, no dia seguinte passar um tempo enorme tentando encontrar estratégias para auxiliar um grupo a se desenvolver e vibrar com pequenos avanços de cada um, mesmo sabendo o quão distantes ainda estamos do ideal.
È insistir, persistir e não desistir da luta por uma educação de qualidade para todos, mesmo consciente de que talvez nunca cheguemos a provar do fruto e mesmo assim não desistir de plantar as sementes.
É acreditar que a educação de qualidade para todos é um dos mais importantes investimentos no sonho de equidade e liberdade!
É aquele que sabe que não se firmam parcerias para trocar modelos, mas para trocar possibilidades. Possibilidades de um saber às vezes sabido, mas adormecido pela rotina, pelo comodismo, pela superficialidade ou pela artificialidade.
Que consegue perceber um movimento verdadeiro que nos toca pelo esforço em dar certo.
Que acredita que não importa o movimento, mas que ele aconteça, não importa a velocidade, mas a direção. Cada um no seu ritmo, com seu jeito pessoal e único de transformar-se, e que sabe que, só assim, se pode antever um avanço conseguido por mérito de todos que se propuseram a mudar sua história.

2 comentários:

  1. Oi Irene!
    Adorei seu blog!
    Revela o compromisso que tem com a Rede pública, com a infância e os educadores.
    Gostaria muito de indicá-lo no meu blog.
    Abraço grande.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário